Patch Adams ensina que o riso não é o melhor remédio

  
Crédito: Mauro Vieira/Agencia RBS

 Hunter Doherty "Patch" Adams, que inspirou o filme Patch Adams - o amor é contagioso, estrelado por Robin Williams, em 1998, palestrou para médicos, enfermeiros e estudantes de medicina, no Hospital São Lucas da PUCRS, na tarde de quarta-feira (12/12). A conversa foi marcada por performances inusitadas do médico norte-americano de 67 anos sobre como o humor pode tornar a vida mais saudável.

Taís Seibt



          Um auditório cheio de jalecos brancos aplaudiu de pé um médico que veste calças de estampa floral e camisa de bolinhas coloridas. Hunter Doherty Adams, mais conhecido pelo apelido, Patch (que significa "remendo"), age como um palhaço, todos os dias, há 50 anos.

          Na quarta-feira (12/12), ele arrancou risos de médicos, enfermeiros e estudantes de medicina, no Hospital São Lucas da PUCRS. Mas apesar de ter se especializado em fazer as pessoas rirem, Patch Adams afirma que rir não é o melhor remédio. A amizade é. O riso é apenas uma graxa que lubrifica as relações.


          Magricela, nerd e filho de militar, Patch cresceu no sul dos Estados Unidos em uma época em que o país vivia a Guerra do Vietnã e os negros estudavam em escolas separadas dos brancos. Não fazia muito sucesso com as meninas e era alvo fácil para os rapazes brigões. Chegou a tentar o suicídio quando adolescente e foi parar em um sanatório. Vem de lá a lição de que quem tem companhia não precisa de Prosac. "O humor salvou a minha vida", diz ele, que abriu uma clínica para tratar doentes mentais sem usar medicamentos.


          Para aprender a ter graça — e mudar outras vidas —, durante dois anos, passou tardes em um elevador de Washingon e fez muitas ligações para telefones desconhecidos. A cena reconstituída com a participação de um médico da plateia deve mudar o teor dos encontros nos elevadores do hospital.
         Já os telefonemas estão cada vez mais raros na era da conectividade, embora Patch ainda utilize meios tradicionais para se comunicar — responde mais de 600 cartas por mês. Olhar nos olhos, tocar, sorrir, abraçar são dos meios mais tradicionais de interação que existem. E foi com um abraço coletivo que ele se despediu do público, depois de duas horas intercalando falas de crítica à guerra e ao capitalismo e performances inusitadas sobre como o humor pode tornar o cotidiano mais saudável. Se rir não é o melhor remédio, pelo menos é uma porta de entrada para o contato com o outro, caminho para uma vida sem dor.

Quem é Patch Adams

Hunter Doherty "Patch" Adams é um médico norte-americano de 67 anos que ficou conhecido por sua metodologia inusitada no tratamento de seus pacientes, usando roupas de palhaço e fazendo brincadeiras. Em 1972, fundou o Instituto Gesundheit e, em 1980, comprou um terreno para a implementação física do instituto, que presta assistência gratuita a pacientes. Atualmente, Patch viaja para áreas em situação de guerra, pobreza e epidemia, tornando-se um ativista pela paz mundial. Em 1998, sua história ganhou visibilidade por ter sido retratada no filme Patch Adams - o amor é contagioso, estrelado por Robin Williams.


FONTE: Zero Hora, 13 de dezembro de 2012, p. 43.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Feliz 2011

Wiley promove webinar sobre publicação de artigos em revistas científicas

Plataforma dos treinamentos online passa por atualização e oferece novas funcionalidades