segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Cigarro eletrônico pode causar danos aos pulmões, diz estudo


Inventor do cigarro eletrônico fuma produto em demonstração ocorrida em Pequim, em 2009 (Foto: Arquivo/AFP)

Uma pesquisa realizada pela Universidade de Atenas, na Grécia, descobriu que cigarros eletrônicos usados para substituir os tradicionais podem causar danos aos pulmões. Para chegar a esta conclusão, os cientistas contaram com 32 voluntários, sendo que oito nunca haviam fumado e 24 eram fumantes. Desses, 11 não apresentavam problemas nos pulmões e 13 tinham asma ou Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), mal que destrói os alvéolos pulmonares.

Cada uma das pessoas usou os cigarros eletrônicos. Os pesquisadores fizeram, então, uma série de testes e mediram a capacidade pulmonar dos indivíduos. Os resultados foram apresentados no domingo (2) em um congresso da Sociedade Europeia para Saúde Respiratória (ERS Congress), realizado em Viena, na Áustria.


Em quase todos os casos, o cigarro eletrônico aumentou a dificuldade de respiração. Em pessoas que nunca usaram fumo, a resistência das vias aéreas (conceito usado na medicina para descrever fatores que limitam o acesso do ar aos pulmões, causando problemas para respirar) teve crescimento variando de 182% a 206%.

Em fumantes que não apresentavam doenças, a resistência das vias aéreas cresceu de 176% a 220%. Já em pacientes com asma ou DPOC que fumam rotineiramente, o cigarro eletrônico não provocou alteração pulmonar, segundo o estudo.

Para a professora Christina Gratziou, uma das autoras do estudo, "não há provas suficientes de que produtos como cigarros eletrônicos, que liberam nicotina e são usados para substituir o tabaco, são mais seguros do que os cigarros tradicionais". Para a cientista, dizer que o produto é menos nocivo é mais "uma questão de marketing" do que uma informação verdadeira.

Os problemas na respiração foram identificados logo após o consumo de cigarros eletrônicos por dez minutos, o que sugere que o efeito detectado foi imediato, segundo a pesquisadora. "Mais pesquisas são necessárias para entender se os problemas ocorrem no longo prazo", disse Gratziou.

FONTE: G1 Bem Estar, 3/09/2012

Deixe seu comentário:

2 comentários:

  1. Eu uso cigarros eletrônicos há dois anos e nunca tive problemas.
    Acho que a qualidade dos líquidos usados é que interfere mais.
    Uso líquidos da Ismoke Brasil. Pelo que parece, eles fazem com base no que foi liberado pela FDA americana.
    http://ismoke.com.br/e-liquids/e-liquido-20ml-cigarro-eletronico/

    Se puderem emitir uma opinião eu agradeço.
    Olívia

    ResponderExcluir
  2. Uma pena ainda ter tantos textos desatualizados como esse disponiveis. O estudo provavelmente foi realizado com equipamentos e liquidos de péssima qualidade, nada comparaveis ao que temos disponível hoje. Uma pena não liberarem no Brasil. Sinto-me muito melhor depois de ter entrado para o mundo vaper. ANVISA dá uma força..

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário: