segunda-feira, 19 de junho de 2017

Ministério da Saúde lança campanha para incentivar doação regular de sangue

Atualmente, 1,8% da população brasileira doa sangue. A Campanha tem como objetivo reafirmar a importância do ato e incentivar novos voluntários

Reforçar a importância da doação, sensibilizar novos voluntários e fidelizar doadores existentes são os objetivos da Campanha Nacional de Doação de Sangue de 2017. Com o Slogan “Doe Sangue regularmente e ajude a quem precisa”, a campanha foi lançada nesta quarta-feira (14), Dia Mundial do Doador de Sangue. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, participou da solenidade realizada no Hemocentro de Brasília (FHB). 

“Uma das prioridades do Ministério da Saúde é manter os estoques de sangue abastecidos. Uma doação pode beneficiar até quatro pessoas”, destacou o ministro, nesta quarta-feira, durante sua participação no evento. “Faremos uma ampla campanha para estimular a doação de sangue. O objetivo é mobilizar a sociedade e ampliar o número de doadores no Brasil”, acrescentou Ricardo Barros.



No Brasil, cerca de 3,5 milhões de pessoas realizam transfusão de sangue. Ao todo, existem no país 27 hemocentros coordenadores e 500 serviços de coleta. Atualmente, 1,8% da população brasileira doa sangue. Embora o percentual fique dentro dos parâmetros da Organização Mundial de Saúde (OMS) - de pelo menos 1% da população - o Ministério da Saúde tem trabalhado para aumentar a taxa. 

“O sangue é insubstituível. Ainda não existe nenhum tipo de medicamento que possa substituir o sangue. E quem precisa, só consegue graças à generosidade de quem doa. O importante é doar regularmente, pois com o frio e a seca, a tendência é diminuir os estoques”, explicou o coordenador da área de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde, Flávio Vormittag.

A expectativa para este ano é reforçar a importância dessa atitude. Para isso, a campanha, que começa a ser veiculada a partir desta quarta-feira (14), contará com jingle, vídeo e peças para redes sociais, além da distribuição de material gráfico nos estabelecimentos de saúde de todo país. 

“A campanha publicitária é de grande relevância, pois é preciso lembrar que sempre há uma vida para salvar. Nestes 27 anos que frequento o hemocentro tenho sido recebido com sorriso. O acolhimento é muito gratificante para quem doa um minutinho do seu tempo para salvar alguém”, disse o doador brasiliense Hélio Fonseca, que acumula mais de cem doações no hemocentro. 

BAIXA NOS ESTOQUES - No mês de junho, o Ministério da Saúde vem identificando uma modificação da rotina dos doadores de sangue, em decorrência das proximidades com as férias escolares, dos feriados de São João e mudança de estação. Tudo isso tem ocasionado uma baixa nos estoques de sangue no Brasil. A campanha visa uma mudança desse cenário, incentivado e fortalecendo a doação de sangue no país.

O perfil dos doadores de sangue se mantém estável ao longo dos últimos anos. Do total de doadores, 60% são do sexo masculino e 40% do sexo feminino. O maior percentual está na faixa etária a partir dos 29 anos, com 58% do total dos doadores, enquanto as pessoas de 16 a 29 anos representam 42%. 

CONDIÇÕES PARA DOAR - No Brasil, pessoas entre 16 e 69 anos podem doar sangue. Para os menores de 18 anos é necessário o consentimento dos responsáveis e, entre 60 e 69 anos, a pessoa só poderá doar se já o tiver feito antes dos 60 anos. Além disso, é preciso pesar, no mínimo, 50 quilos e estar em bom estado de saúde. O candidato deve estar descansado, não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores à doação e não estar de jejum. No dia, é imprescindível levar documento de identidade com foto. 

A frequência máxima é de quatro doações anuais para o homem e de três doações anuais para a mulher. O intervalo mínimo deve ser de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres. 

A doação é 100% voluntária e beneficia qualquer pessoa, independente de parentesco com o doador. É importante lembrar que o sangue é essencial para os atendimentos de urgência, realização de cirurgias de grande porte e tratamento de pessoas com doenças crônicas, como a Doença Falciforme e a Talassemia, além de doenças oncológicas variadas que, frequentemente, necessitam de transfusão. 

REFERÊNCIA - O Brasil é referência em doação de sangue na América Latina, Caribe e África. Desde 2009, a experiência brasileira é utilizada em cooperações técnicas com mais de 10 países para o fortalecimento e desenvolvimento da promoção da doação voluntária de sangue, qualificação da atenção integral à pessoa com Doença Falciforme e aperfeiçoamento da produção de hemocomponentes. Honduras, El Salvador e República Dominicana são exemplos de parceiros em projetos para o fortalecimento da doação voluntária de sangue. 

Em 2016, o Ministério da Saúde, investiu mais de R$ 1 bilhão na rede de sangue e hemoderivados (hemorrede). Os recursos foram destinados ao fortalecimento da rede nacional do SUS para a modernização das unidades, qualificação dos profissionais e processos de produção da Hemorrede, além do fornecimento de medicamentos de alto custo a pacientes. Os investimentos incluem ainda a qualificação dos programas de atenção integral à pessoa com Doença Falciforme e aperfeiçoamento da produção de hemocomponentes.

Por Rebeca Valois, da Agência Saúde 
Atendimento à imprensa
(61) 3315-3580 / 2351 

Fonte: Portal da Saúde.

Preocupação pode fazer bem à saúde

Um pouco de preocupação pode fazer muito bem à saúde. É o que afirma um estudo da Universidade da Califórnia publicado no volume 11 (edição de abril/2017) da revista científica Social and Personality Psychology Compass. Os resultados completos levantados pelos cientistas Kate Sweeny e Michael Dooley estão disponíveis para os usuários do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Segundo o estudo, a preocupação é uma experiência emocional aversiva que surge ao lado de pensamentos repetitivos e desagradáveis sobre o futuro. No artigo, os autores argumentam que, embora os níveis extremos estejam associados a doenças físicas e até mentais, o sentimento pode ter efeito positivo.

Os pesquisadores indicam que a preocupação serve como um “amortecedor emocional” contra imprevistos e, além disso, pode motivar as pessoas a serem mais proativas e saudáveis. Isso ocorre porque indivíduos que estão constantemente preocupados se engajam em solucionar os problemas e, consequentemente, obtêm maior sucesso, podendo apresentar, inclusive, melhor performance nos estudos e em questões relacionadas ao trabalho.

"Mesmo em circunstâncias em que os esforços para evitar resultados indesejáveis são fúteis, a preocupação pode motivar ações proativas para reunir um conjunto de respostas prontas no caso de más notícias", explica Kate Sweeny em entrevista ao Science Daily. "Neste caso, preocupar-se compensa, porque é um meio de pensar sempre no ‘plano B’", complementa a autora.

Ainda de acordo com Sweeny, com a preocupação as pessoas se preparam para o pior e, com uma perspectiva pessimista para mitigar a decepção potencial, têm a emoção ampliada quando a notícia é boa. "Os níveis extremos de preocupação são prejudiciais para a saúde. Não pretendo defender a preocupação excessiva, mas espero proporcionar segurança para quem se sente constantemente dessa forma. Planejamento e ação preventiva não são ruins. Preocupação na medida certa é muito melhor do que não se preocupar com nada", ressalta a pesquisadora.
Capa do Social and Personality Psychology Compass (Imagem: Wiley Online Library)

Intitulado The surprising upsides of worry, o estudo está disponível* na revista científica Social and Personality Psychology Compass. Os usuários que tiverem interesse em ler o artigo completo podem localizá-lo no Portal de Periódicos na opção Buscar assunto (inserindo o título da pesquisa) ou por meio do campo Buscar periódico, acessando diretamente a publicação.


O título editado pela Wiley Online Library busca encorajar os autores da área a apresentar uma visão única dos tópicos de pesquisa que compõem a disciplina. A revista científica é baseada no reconhecimento da necessidade de dar continuidade à apreciação da relação simbiótica entre psicologia social e psicologia da personalidade. Para cumprir esse papel, o periódico publica mais de 100 novos artigos por ano.

Alice Oliveira dos Santos

Fonte: Portal CAPES.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Estudo traz descobertas sobre parasito da doença de Chagas

Um estudo inédito realizado por pesquisadores do Instituto Carlos Chagas (ICC/Fiocruz Paraná) é o destaque de capa da edição de junho da revista científica Molecular Microbiology. A pesquisa investigou o Trypanosoma cruzi, parasito causador da doença de Chagas e que apresenta em seu ciclo de vida quatro formas evolutivas entre o inseto vetor – conhecido como barbeiro – e o hospedeiro mamífero. O estudo teve como foco a investigação da forma chamada de epimastigota, presente no tubo digestivo do barbeiro. Os resultados evidenciaram que, nesta fase, o parasita possui característica biológicas antes nunca evidenciadas, colocando em xeque um paradigma centenário na doença de Chagas, de que formas epimastigotas não são infectivas ao hospedeiro mamífero.
“A pesquisa mostrou, que diferentemente do que se acreditava há mais de um século, epimastigotas recém diferenciados destacam-se por suas características relacionadas à infectividade ao hospedeiro mamífero, tanto em cultivos celulares in vitro como em modelo animal in vivo, à resistência ao sistema imune inato do hospedeiro mamífero e à expressão de diferentes fatores de virulência em comparação com as demais formas do ciclo de vida do parasita”, explica Rafael Kessler, pesquisador do Laboratório de Genômica Funcional da Fiocruz Paraná.
“O estabelecimento e otimização de protocolos de epimastigogenese, tanto in vitro como in vivo, possibilita o estudo de peculiaridades do ciclo de vida de T. cruzi nunca antes vislumbradas, e foi passo crucial para a descoberta do estágio infectivo epimastigota recém diferenciado (rdEpi)”, explica Kessler, primeiro autor do artigo publicado na Molecular Microbiology. A descoberta, segundo o pesquisador, pode contribuir para entender por que a infecção por T. cruzi pela via oral – por meio da ingestão de alimentos contendo insetos barbeiros (triturados durante o preparo de sucos) –, apresenta, geralmente, uma fase aguda mais intensa.
A pesquisa também mostrou, de forma inédita, as outras formas de evolução são capazes de diferenciar as características da forma epimastigota.
O trabalho, desenvolvido em um período de seis anos, resultou no estabelecimento de uma nova linha de pesquisa, com ênfase na investigação da interação parasita-hospedeiro. Os próximos passos incluem a investigação da infectividade do rdEpi por via oral e os alvos celulares de preferência do parasito no hospedeiro mamífero.
Fonte: Fiocruz Paraná

segunda-feira, 5 de junho de 2017

InovaSUS premia boas práticas para melhorar saúde no Brasil

Melhorar a qualidade do trabalho dos profissionais de saúde que atuam nos programas de saúde pública e também o serviço oferecido à população é um esforço constante do Ministério da Saúde. E quando esse esforço também é compartilhado pelos gestores municipais e estaduais, os resultados podem ser significativos. O projeto “Melhor em Casa Curitiba: Transformando as relações de trabalho para uma organização tipo cérebro” , por exemplo, passou a agregar os trabalhadores nas ações de gestão, e viu uma melhora significativa na motivação e comprometimento com o trabalho.

Parece uma medida simples, mas foi essa a proposta ganhadora do prêmio InovaSUS de boas práticas em gestão do trabalho, promovido pelo Ministério da Saúde. Neste ano, o evento de premiação teve como tema “Valorização de Boas Práticas e Inovação na Gestão do Trabalho na Saúde”.

Elaine Rossi, Diretora do Instituto de Ensino e Pesquisa da Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba (FEAES), vinculada à Prefeitura de Curitiba, explica que durante o começo da proposta, eram aplicados questionários sobre escalada de satisfação no trabalho. “Percebemos que um dos pontos principais era a democratização das relações de trabalho, e começamos a fazer algumas iniciativas que pudessem tornar os trabalhadores também gestores das suas ações”.

Valorizar essas ações também é um ponto importante, e motiva ainda mais os trabalhadores e gestores a dar continuidade ao trabalho. “Quem ganha, além do trabalhador, é o usuário do SUS. Todo conhecimento que está sendo construído com esse prêmio está sendo divulgado, e certamente outras pessoas estão sendo levadas a modificar os seus espaços de trabalho”, explica a Diretora do FEAES. Além disso, Elaine defende que o profissional motivado atende o paciente de outra maneira, passando confiança e entusiasmo para a população. 

Aline Czezacki, para o Blog da Saúde.

Fonte: Blog da Saúde.

Ministério lança aplicativo para ampliar o acesso da população às informações de saúde

A nova ferramenta e-Saúde vai permitir que cerca de 170 milhões de brasileiros em todo o país possam ter acesso rápido a serviços. Ministério da Saúde também passa a contar com apoio do Google Maps

O ministro da Saúde, Ricardo Barros, apresentou nesta quinta-feira (1º) o aplicativo e-SAÚDE, novo canal de comunicação entre o Ministério da Saúde e o cidadão. A nova ferramenta foi apresentada durante o evento Dados Abertos sobre a Saúde no Brasil, do Google, em São Paulo. O aplicativo foi criado pelo Departamento de Informática do SUS (DATASUS) e oferece, de forma online, informações em saúde de uso pessoal e restrito a cada cidadão brasileiro, como o acesso aos dados do cartão nacional de saúde, lista de medicamentos retirados nas unidades de saúde, acompanhamento do cartão de vacinação, lista de exames realizados, além de outras informações.

A nova ferramenta deverá estar disponível nos próximos dias nos principais sistemas operacionais do mercado, Apple iOS e Google Android e poderá ser acessado por tablets e smartphones.

“A informatização é uma das prioridades dessa gestão. Precisamos usar a tecnologia para integrar os dados da saúde, promover a correta aplicação dos recursos públicos, aprimorar o planejamento das ações e, principalmente, ampliar o acesso e a qualidade da assistência prestada à população, tornando o atendimento mais eficiente”, destacou o ministro Ricardo Barros. Ele ressaltou que o uso da tecnologia evita o desperdício no SUS e permite receber a avaliação do cidadão do serviço utilizado. “Atualmente, 30% das pessoas marcadas para consultas especializadas não comparecem e não dispomos de agilidade para chamar outra pessoa a esta consulta. Além disso, 50% dos exames de análises clínicas não são retirados”, explicou o ministro, durante o evento desta quinta-feira

O aplicativo vai aproximar ainda o contato entre os pacientes e as unidades de saúde distribuídas em todo o Brasil, entre elas: farmácia popular, postos de saúde, serviços de urgência, academia da saúde, hospital, maternidade, centro de atenção psicossocial, maternidade e centro de especialidade. Basta o cidadão acessar as informações de onde ele se encontrar, que o aplicativo vai apontar o melhor local para o atendimento. “Se tornou mais simples para o cidadão descobrir onde deve buscar atendimento na rede pública de saúde, já que agora a informação está na palma da mão", observou o diretor do Departamento de Informática do SUS, Marcelo Fiadeiro.

O cidadão vai poder fazer denúncias online por meio da Ouvidoria do SUS 136. Nessa opção, o paciente pode relatar queixas de atendimentos, além de questionar possíveis atendimentos não realizados e que constam no cadastro do usuário do SUS.

Para o funcionamento do aplicativo e-Saúde, o Ministério da Saúde está interligando os sistemas de informação do SUS que já estão em funcionamento. A ferramenta já conta com informações do Hórus, Hemovida, Cartão SUS, CNES, e-sus AB, Ouvidoria e o Sistema DE Informação do Programa Nacional de Imunização (SIPNI).

PARCERIA COM O GOOGLE – Durante o evento ‘Dados Aberto sobre a Saúde no Brasil’, em São Paulo, o Google apresentou o resultado da parceria firmada com o Ministério da Saúde para a disponibilização dos dados georreferenciados do Cadastro Nacional de Estabelecimento de Saúde (CNES). A parceria vai permitir a publicação dos serviços de saúde, tanto públicos como particulares, no Google Maps. A ideia é facilitar o acesso do cidadão à informação sobre os estabelecimentos de saúde e, com isso, identificar a unidade de saúde mais próxima da sua casa por meio do aplicativo.

O evento teve como objetivo debater os benefícios da política de dados abertos na saúde, promover o uso dos dados disponibilizados pelo governo pela sociedade civil e empresas, além de fomentar a troca de conhecimentos sobre as políticas públicas de dados abertos.

PREMIAÇÃO – O aplicativo e-SAÚDE recebeu recentemente o Prêmio Case de Sucesso Portal IT4CIO, durante o evento CIO Brasil GOV em Florianópolis (SC). O objetivo da premiação é dar visibilidade à implantação de uma solução e estimular o compartilhamento de experiências entre os profissionais de Tecnologia da Informação (TI) de todo o país. O Datasus concorreu na etapa final de avaliação do prêmio, com as instituições, Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (CAESB) e a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado do Espirito Santo.

O CIO Brasil GOV foi realizado em Florianópolis, entre os 24 e 28 de maio, e propôs à comunidade de TI do setor público a atualização profissional e integração entre os participantes. Com o tema “Tecnologia Disruptiva”, os executivos puderam debater este termo o qual elucida a ideia de quebra de velhos paradigmas, a fim de apresentar algo altamente inovador.

Ovid cria plataforma exclusiva para atender usuários do Portal de Periódicos

A editora Ovid – que possui publicações na área de pesquisa médica – desenvolveu um recurso exclusivo para os usuários do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Trata-se de um site que reúne a coleção de revistas científicas oferecidas pela marca por meio da biblioteca virtual da CAPES. 

Na página, os usuários encontram um visual bastante atrativo. As publicações estão elencadas por ordem alfabética e cada título está acompanhado por sua capa, de modo a facilitar a visualização e a seleção do conteúdo. Além disso, é possível saber a partir de que ano o material está disponível. Em complemento, “o site contém outras abas com tutoriais e formulários para feedback dos usuários”, como explica Danilo Collalto Paulo, gerente nacional de vendas da marca.

Segundo Danilo, a editora desenvolveu uma estratégia para divulgar as revistas científicas nas instituições de ensino brasileiras. “Nossos títulos são de grande expressividade para a saúde, indispensáveis para médicos, estudantes e pesquisadores da área. Para intensificar a divulgação, estamos oferecendo treinamentos para a comunidade acadêmica”, afirma o executivo. Segundo ele, em breve o cronograma de capacitação será disponibilizado.

O gerente de vendas da Ovid destaca alguns dos principais títulos disponibilizados pelo Portal de Periódicos:

Circulation
A revista científica da American Heart Association apresenta relatórios revisados sobre investigação clínica e laboratorial relevantes para doenças cardiovasculares. O editorial inclui revisões contemporâneas em medicina cardiovascular, ciência básica para médicos, controvérsias em medicina cardiovascular, entre outros aspectos.

Medical Care
A publicação oficial da American Public Health Association é classificada como um das dez maiores em administração e prestação de cuidados de saúde. 

Obstetrics & Gynecology
Periódico oficial da American College of Obstetricians and Gynecologists, o título é popularmente conhecido como "The Green Journal". O objetivo da publicação é promover a excelência na prática clínica de obstetrícia e ginecologia e campos estreitamente relacionados.

Acesse aqui o site com todos os títulos da Ovid. O conteúdo da editora também pode ser acessado pela opção Buscar base do Portal de Periódicos.

Verifique o conteúdo do Portal de Periódicos disponível para sua instituição
Alice Oliveira dos Santos

Fonte: Portal CAPES.