sexta-feira, 11 de julho de 2014

Definida a programação da 66ª Reunião Anual da SBPC




          Ciência e tecnologia em uma Amazônia sem Fronteiras é o tema da 66ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que ocorrerá entre os dias 22 e 27 de julho em Rio Branco, no Acre.
         O evento contará com 199 atividades e a participação de pesquisadores do Brasil e do exterior, além de gestores do sistema de ciência e tecnologia. Serão 51 conferências, 62 mesas-redondas, 54 minicursos, 16 encontros, sete sessões especiais e cinco assembleias.
         Entre os temas a serem discutidos nas conferências estão "Ciência e tecnologia: imperativo para o desenvolvimento brasileiro"; "Serpentes peçonhentas e acidentes ofídicos no Brasil"; "Reservas extrativistas 25 anos depois"; "O Brasil no espaço – As aplicações e os serviços oferecidos por satélites"; "Biodiversidade e sociedades tradicionais na Amazônia"; e "O uso de animais em pesquisas e no ensino", entre outras.
        Nas mesas-redondas serão abordados temas como "Amazônia: o desafio de formação e fixação de doutores"; "Os impactos socioambientais da exploração de petróleo e gás de xisto no Acre"; e “O marco civil da internet”.
        Uma das novidades da reunião deste ano é a realização da SBPC Indígena, que inclui na programação científica debates sobre o universo indígena, como "Os povos indígenas e as políticas públicas", "Índios isolados no Acre", "Os povos indígenas e a universidade – discutindo as possibilidades e as políticas atuais".
        Para o secretário-geral da SBPC, Aldo Malavasi, a realização da SBPC Indígena é “um importante canal de interação e troca de conhecimentos”.
        Haverá, ainda, o “Encontro Transfronteiriço de Povos Indígenas do Brasil-Peru-Bolívia”, que contará com a participação de indígenas e especialistas dos três países.
        Entre os mais de 50 minicursos que serão oferecidos estão os temas "Astronomia indígena", "Controle da qualidade da água", "A modelagem matemática de fenômenos ligados à degradação por atividade antrópicas em mata Amazônica", "Geologia do petróleo", "DSTs virais e drogas de abuso - como abordar a temática dentro da sala de aula" e "Conversando sobre doenças tropicais".
       Os minicursos terão carga horária de oito horas e os que estiverem presentes a pelo menos 75% do curso receberão certificado de participação.
Mais informações e a programação completa estão em http://www.sbpcnet.org.br/riobranco/home/.


FONTE: Agência FAPESP, 11/07/2014 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário: