terça-feira, 6 de agosto de 2013

Quase 12% dos partos realizados no Brasil são prematuros, diz Unicef

 
--> -->
Bebês prematuros nascem mais nas regiões Sul e Sudeste do país
(Foto: Amelie Benoist/BSIP/Arquivo AFP
Pesquisa analisou bebês nascidos abaixo de 37 semanas de gestação.
Regiões do país, etnia e idade da mãe influenciam prazo do nascimento.
 
         Uma nova pesquisa sobre o nascimento de crianças no Brasil, liderada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) em parceria com outras 12 universidades do país, com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e com o Ministério da Saúde, revela que 11,7% dos partos brasileiros são prematuros – nascidos abaixo de 37 semanas de gestação.

          Esse dado é referente ao ano de 2010 e revisa para cima os números do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (Sinasc), do Sistema Único de Saúde (SUS), que apontava uma taxa de prematuridade de 7,2%.
         O estudo "Prematuridade e suas possíveis causas" investigou o número de bebês nascidos antes do tempo e com baixo peso (abaixo de 2,5 kg). Segundo os autores, tem havido um crescimento nas taxas de prematuridade do país – que, por outro lado, vem reduzindo os índices de mortalidade infantil. 
         De acordo com o Ministério da Saúde, a prematuridade é a principal causa de morte no primeiro mês de vida – cerca de 70% dos óbitos de crianças ocorrem nos primeiros 28 dias após o nascimento. Atualmente, a taxa de mortalidade de crianças abaixo de 1 ano é de 16 por mil nascidos vivos, segundo a Rede Interagencial de Informações para a Saúde (Ripsa).
         Em relação aos números de prematuros, o Brasil está em décimo lugar entre os países em que mais nascem bebês antes do prazo, o que o coloca no mesmo patamar dos países de baixa renda, onde a prevalência é de 11,8%. Já nas nações de renda média, o percentual é de 9,4%, segundo o relatório "Born too Soon" divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) no ano passado. Em 2010, 15 milhões de crianças nasceram prematuras em todo o mundo.

Continue lendo...

Leia também:

Born too soon: the global action report on preterm birth 

FONTE: Bem-Estar, 5/08/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário: