quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Saúde pública deve considerar dados sobre o clima para prevenir doenças, diz OMS



Atlas da Saúde e do Clima
 disponível para download
  AGÊNCIA BRASIL

A OMS (Organização Mundial da Saúde), no estudo Atlas da Saúde e do Clima, divulgado no dia 29 de outubro, alerta que a saúde humana está ameaçada pelas mudanças climáticas.

A publicação destaca que as secas, as inundações e os ciclones geram surtos epidêmicos de doenças, como diarreia, malária, dengue e meningite.


No Atlas da Saúde e do Clima, há exemplos práticos de como adotar ações em saúde pública para prevenir os problemas causados pelas mudanças climáticas. A diretora-geral da OMS, Margaret Chan, disse que é fundamental prevenir e preparar a população. Segundo ela, as ações conjugadas dão vida "ao coração da saúde pública".


"Informações sobre a variabilidade e mudanças climáticas são ferramentas poderosas que auxiliam as nossas tarefas", disse.


A diretora-geral observou que, por enquanto, os dados dos serviços de informações sobre clima têm sido "subutilizados" na saúde pública. Para ela, a falta de atenção a esses dados acaba aumentando a incidência de doenças infecciosas, como malária, dengue, meningite e cólera. Segundo o estudo, a situação se agrava principalmente entre crianças e idosos.


O Atlas da Saúde e do Clima analisa os efeitos das mudanças climáticas em todos os continentes. Ao mencionar a América do Sul, a publicação destaca as inundações no Sul do Brasil, principalmente em Santa Catarina, e a seca no Norte, especialmente na Amazônia.

 
BRASIL

 
Em 68 páginas, o estudo mostra que as preocupações no Brasil se concentram no Sul em decorrência das inundações e dos deslizamentos de terras, considerados constantes, e no Norte devido à seca.


Uma série de problemas de saúde, segundo o estudo, são gerados pelas mudanças no clima atingem milhões de brasileiros e provocam surtos epidêmicos de doenças, como diarreia, malária, dengue e meningite. O relatório informa que de 2000 a 2010 foram registrados 1.320 casos de inundações. O período apontado como a "pior seca dos últimos 60 anos" foi de 2004 a 2010, na Amazônia.

O estudo revela também que as doenças mais comuns causadas pelas alterações climáticas têm relação direta com uma série de fatores, como poluição e infraestrutura local. A maior parte das mortes, segundo o relatório, é entre bebês recém-nascidos. Há registros também de levados número de casos, nem sempre fatais, de pneumonia, diarreia e malária.

Os especialistas advertem ainda para que as pessoas redobrem os cuidados com a exposição ao sol, pois há estudos que demonstram que as elevadas temperaturas e os raios de sol podem causar problemas à saúde. O alerta é para limitar a exposição ao sol, procurar lugares à sombra, usar roupas que protejam, chapéus e óculos. Também é recomendado o uso de protetor solar.


Fonte: Folha de São Paulo, 30/10/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário: