segunda-feira, 4 de junho de 2012

Instituto do Cérebro, na Capital, promete ser referência no tratamento de doenças neurodegenerativas

Com inauguração prevista para quarta-feira (06/06), o centro também atenderá a pacientes do SUS


Dia 6 de junho será inaugurado o Instituto do Cérebro, em Porto Alegre, que deverá ser referência na América Latina no tratamento de doenças neurodegenerativas e atenderá a pacientes do SUS.

Uma revolução no tratamento de doenças neurológicas está prestes a ter início no Estado. O exército não inclui apenas médicos. Figuras estranhas à medicina, como engenheiros, compõem o quadro de especialistas do Instituto do Cérebro (InsCer), que até o fim de maio deve ser inaugurando em frente ao Hospital São Lucas da PUCRS, em Porto Alegre.

E não pense que o profissional das ciências exatas atua nos bastidores. Pelo contrário, Alexandre Rosa Franco, engenheiro especialista em inteligência artificial, é responsável por mergulhar no coração das máquinas para fazer com que elas enxerguem e expliquem melhor doenças de difícil diagnóstico, com base em seus conhecimentos de processamento de dados. Depois, entrega para neurologistas e psiquiatras um jeito novo de compreender os mecanismos do cérebro.

Além dele, outros 69 colaboradores de áreas diversas, incluindo física, química, farmácia, letras e medicina, trabalham para aprimorar diagnósticos e tratamentos de doenças neurodegenerativas que ainda desafiam a ciência, como Parkinson e Alzheimer.

Esse centro, que une a teoria de cientistas e a prática de médicos, terá capacidade para atender a cerca de 4,2 mil pessoas nas modalidades de pesquisa e assistência até o fim deste ano. Serão contemplados pacientes do SUS, de convênios e particulares, desde que inscritos em projetos de estudo.

Para concluir o prédio de mais de R$ 35 milhões (parte financiada pelo governo federal), foram necessários cinco anos de preparo, incluindo viagens e pesquisas em alta tecnologia nas melhores universidades do mundo, como Harvard (EUA), Georgetown (EUA) e Tübingen (Alemanha). Entusiasta do projeto e coordenador científico do InsCer, o neurocientista Iván Izquierdo destaca que o local será referência na América Latina.

Doenças como Alzheimer e Parkinson afetam 30% dos idosos.

Conforme Izquierdo, o centro terá cada vez mais importância, já que o universo de pessoas que sofrem de doenças neurodegenerativas cresce gradualmente à medida que a expectativa de vida da população é maior. Doenças como Alzheimer e Parkinson tendem a aparecer depois dos 70 anos e atingem a cerca de 30% dos idosos.

O diretor do instituto, neurologista Jaderson Costa da Costa, conta que o objetivo é ousado:

- Não estamos preocupados em fazer o que todo mundo faz, mas sim entender o que está acontecendo com o paciente e buscar uma solução definitiva. Queremos ser um dos centros que vão participar do esforço científico mundial.

Leia também: Instituto do Cérebro

FONTE: FAPERGS, 18/05/2012 (Publicado em Zero Hora em 18/05, p.34-35)

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário: