quarta-feira, 6 de junho de 2012

Cirurgia gratuita a pacientes com Parkinson no Estado

Eletrodo gera estímulo que reduz progressivamente tremores causados pela doença
Foto: Misha Chisens / Stock.Xchng/Divulgação
Convênio entre Estado e Hospital de Clínicas servirá para custear 20 cirurgias de implante. Tratamento é recomendado somente quando não há melhora com uso de medicamentos.

Taís Seibt

   Além de garantir tratamento gratuito a pacientes com mal de Parkinson, um convênio assinado na terça-feira (05) entre Secretaria Estadual da Saúde e Hospital de Clínicas de Porto Alegre fará com que o Estado economize em ações judiciais. Com o convênio, no valor de R$ 834,8 mil, serão custeadas 20 cirurgias de implante de Estimulador Cerebral Profundo. Antes, o paciente obtinha acesso ao tratamento cirúrgico por meio da Justiça, obrigando o governo a desembolsar R$ 200 mil para cada cirurgia.


   O contrato tem duração de um ano. Os 20 beneficiados serão encaminhados pelo Serviço de Neurologia e Neurocirurgia do Hospital de Clínicas, que já é a unidade de referência no Estado para tratar a doença. O número de atendidos pelo convênio é considerado adequado para a demanda, já que o implante no cérebro é indicado a uma minoria de pacientes que não apresenta melhora com medicamentos.

   — A cirurgia nunca é a primeira opção. O paciente só é encaminhado ao especialista em distúrbios do movimento depois de ter passado pelo tratamento medicamentoso — destaca o chefe da unidade de Neurocirurgia do Hospital de Clínicas, Ápio Antunes.
   Na última década, a técnica de estimulação cerebral profunda foi estabelecida como um tratamento seguro e eficaz para portadores da doença neurológica degenerativa que afeta a capacidade do cérebro de controlar os movimentos do corpo, mas estava disponível no Estado somente pela rede particular ou por meio de convênios.

   O eletrodo implantado no cérebro gera um estímulo que começa progressivamente a reduzir tremores causados pelo Parkinson. De acordo com Antunes, o dispositivo tem uma vida útil de quatro a cinco anos e representa grande melhora na qualidade de vida do paciente com Parkinson.

Como funciona

:: O dispositivo é implantado no cérebro e uma bateria é colocada sob a pele, na altura do peito.

:: A corrente elétrica passa por um fio, que vai desde o peito, onde está colocada a bateria, até a cabeça.

:: Programado pelos médicos durante a cirurgia, o Estimulador Cerebral Profundo envia estímulos ao cérebro, amenizando os sintomas do Parkinson.

:: O neurotransmissor serve como combustível do corpo para executar movimentos rápidos, precisos e coordenados.

:: A bateria dura entre quatro e cinco anos e não é recarregável. Após esse período, o gerador deve ser substituído.

FONTE: Zero Hora, Bem Estar, 5/06/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário: