sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Nobel de Medicina para pesquisas sobre imunologia

Ralph Steinman (foto), um dos ganhadores, morreu no dia 30 de setembro, três dias antes do anúncio do prêmio que dividiria com Bruce Beutler e Jules Hoffmann (Un.Rockfeller)

Agência FAPESP – O prêmio Nobel de Medicina ou Fisiologia de 2011 foi anunciado na segunda-feira (03/10) a três cientistas por descobertas e contribuições ao avanço do conhecimento sobre o sistema imunológico: Bruce Beutler, Jules Hoffmann e Ralph Steinman.

O anúncio foi feito pelo comitê do prêmio no Instituto Karolinska, na Suécia. No dia 30 de setembro, Steinman, da Universidade Rockfeller, morreu aos 68 anos por complicações decorrentes de um câncer no pâncreas.

Como regra, o Nobel só é concedido a pessoas vivas, mas o comitê decidiu manter os ganhadores, afirmando ter tomado conhecimento da notícia da morte de Steinman três horas após o anúncio ter sido feito.

O valor da premiação (equivalente a R$ 2,8 milhões) será dividido, com Beutler e Hoffmann ficando com metade e Steinman (no caso, seus familiares) com a outra metade. A cerimônia de premiação será no dia 10 de dezembro, em Estocolmo.

Nascido no Canadá, Steinman descobriu, em 1973, as células dendríticas, que são ativadoras do sistema imunológico dos mamíferos. Essas células atuam como mensageiras entre a imunidade inata e a adquirida, auxiliando o organismo no processo de resposta imunológica, isto é, de combate a infecções promovidas por bactérias ou outros microrganismos.

Beutler (nascido em 1957 em Chicago) e Hoffmann (nascido em 1941 em Luxemburgo) descobriram proteínas receptoras capazes de reconhecer os organismos invasores e de ativar a imunidade inata, que é o primeiro passo na resposta a infecções.

As células dendríticas regulam a imunidade adquirida (ou adaptativa), o estágio posterior da resposta imune durante a qual os microrganismos são eliminados do corpo.

As pesquisas de Steinman, Beutler e Hoffmann, além de revelar as fases da resposta imune e ajudar a entender os mecanismos de doenças, “abriram novos caminhos para o desenvolvimento de prevenções e terapias contra infecções, câncer e doenças inflamatórias”, destacou o comitê do Nobel no anúncio do prêmio.

O brasileiro Michel Nussenzweig, da Universidade Rockefeller, estuda a função das células dendríticas desde o seu doutorado, no qual teve como orientador justamente Steinman.

FONTE: Agência FAPESPE, 04/10/2011


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário: